gototopgototop
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

Tom Boonen (Omega Pharma-Quick Step) conseguiu uma moralizadora vitória na ventosa segunda esta segunda feiraonde se viu os capitães Levi Leipheimer e Sylvain Chavanel manterem vivas as suas opções para a classificação geral num dia decisivo no Paris-Nice2012.

Boonen e a sua S-Works Venge facilmente descolaram de JJ Rojas e John Degenkolb para sua quinta vitória nesta época de 2012 no percurso de 185.5 km entre Mantes-la-Jolie e Orléans. Vento, chuva e frio, fizeram uma etapa brutalmente difícil nos planos descampados do Loire Valley sobrevivendo apenas 21 atletas para o palco da vitória.

"É sempre muito bom conseguir uma vitória numa corrida tão dura como Paris-Nice," disse Boonen. "Confirma que estamos em boa forma antes das clássicas de Primavera, que para um atleta como eu, são as mais importantes corridas do ano. Mostra que o trabalho que eu fiz no inverno está dando frutos."

Omega Pharma-Quick Step tinha quatro pilotos na frente, num grupo de 21 atletas, com Nikolas Maes a fazer também o trabalho de corte dos fortes ventos laterais, o quebrou o pelotão após a chegada do dia da etapa plana, completamente descoberta no meio da zona do Loire Valley.

Leipheimer levou a sua SL4 Tarmac ao segundo lugar, agora a seis segundos do novo líder, Bradley Wiggins. Chavanel colocou-se em quinto a 14 segundos do líder. O campeão Tony Martin perdeu o grupo da frente quando o pelotão se dividiu e escorregou para 34º a 2:56.

"Esta foi uma grande performance da equipa, não só porque o Larsson perdeu o grupo da frente, mas também muitos outros rivais pretendentes à classificação geral", disse o diretor de equipa da Omega Pharma-Quick Step Brian Holm. "A equipa andou bem. Tivemos o Tom, o Sylvain e o Levi na frente. Perdemos Tony (Martin), mas isso por vezes faz parte do ciclismo. Estamos numa boa posição."

A 70ª edição da “Race to the Sun” continua terça-feira com 194 km para a terceira etapa entre Vierzon e Le Lac de Vassiviere. A etapa termina no topo de uma curta mas íngreme subida (5.2 km de 3,9 por cento), talvez demasiado íngreme para Boonen, mas ideal para Chavanel e importante para Leipheimer não a perder tempo para os seus rivais na classificação geral.